Rebranding, e agora? Veja como mudamos a marca em 5 passos

Ana Marin
Ana Marin

Head de Marketing

Na semana passada, um amigo de profissão pediu experiências de rebranding em um grupo de WhatsApp. Levantei a mão e disse que poderia compartilhar como foi o processo da levva. Afinal, conhecimento compartilhado, é conhecimento multiplicado. 🧠💛

Depois do nosso bate-papo, refleti e percebi que isso pode ser uma dor (ou curiosidade) de outras pessoas. Compartilho aqui, como foi participar de um rebranding, de ponta a ponta, com um time bem enxuto de marketing (enxuto mesmo: 3 pessoas). O conteúdo registrado neste artigo, faz parte de uma parceria com a Grou, empresa que nos apoiou em nosso processo de rebranding.

Quando é hora de mudar?

Crescemos muito e estamos cheios de coragem pra crescer ainda mais. Por isso, precisávamos de um posicionamento global, mais corporate e que transmitisse a nossa cultura, que é o nosso maior diferencial na entrega. No geral, marcas podem mudar por várias estratégias. Vou listar algumas aqui:

Alcançar novo público: o Ponto Frio tinha o desafio de aproximar a marca do público jovem. Ser + amplo, + digital, + simples e + fun.

Mas não foi só o logo que mudou (e nem pode, viu?). Houve todo um novo posicionamento de mídia, tom de voz e cultura.

Outro motivo de rebranding é o posicionamento de cultura. O exemplo aqui é da NuBank, que tinha o desafio de seguir mostrando sua inquietação no mundo de bancos digitais. Como deixar mais claro a evolução de uma empresa pioneira para uma empresa mais madura? Ainda mais humanizada? Mais ampla? Mostrar o movimento constante, com a acessibilidade que este segmento (se não todos) exige?

Traços mais fluídos e simétricos, com a mesma cor, com posicionamento mais humanizado, para mostrar que vieram pra ficar como trendmakers.

Manutenção e relevância da marca também é um dos motivos de rebranding. O exemplo é da Zara, que optou por ir na contramão do mercado.

Como a Zara poderia mostrar proximidade e unidade, na contramão do que o mercado praticava? Isso me fez lembrar o que toda mãe diz em certo momento da nossa vida:

"filha(o), você não é todo mundo".
Imagino a mãe da Zara dizendo isso pra ela.

Com uma fonte mais serifada e com personalidade, deixou a marca mais próxima, com conexão e união dos negócios.

Trago aqui sugestões da minha própria experiência errante.

1. É preciso o apoio e respaldo do CEO / c-level

2. Tenha parceiros de confiança (muita mesmo)

3. Monte um time multi-disciplinar no processo de criação

4. Defina um P.O. do projeto (a pessoa que vai tocar o bumbo / ritmo do projeto)

5. Coloque tudo no planejamento (desde mudanças de templates até pintar a parede)

1. Apoio e respaldo do CEO / c-level

O processo de rebranding não acontece do dia para a noite (o nosso durou 8 meses). Por isso, ter o respaldo do c-level é imprescindível. Serão necessário muitos encontros, workshops e momentos de criação e execução. Essa agenda deve ser priorizada. No nosso caso, nosso stakeholder foi o CEO André Milanez, que permitiu que todos priorizassem essa agenda, independente de qualquer outra. Prioridade com assinatura do CEO, tá legal?

2. Parceiros de confiança

Nós contratamos a GROU, uma consultoria com foco em negóciosdesigncultura marca. Entendemos que, para o nosso momento, fazia total sentido seguir com um parceiro para nos apoiar nesse processo, por dois motivos: 1) nosso time era/é enxuto para absorver a demanda (e não tínhamos a experiência e expertise necessária) e, 2) não queríamos influenciar o processo com nossos vieses.

3. Time multi-disciplinar no processo de criação

Para capturar a essência da nossa cultura e entendermos para onde iríamos, tínhamos pessoas diversas no processo de descoberta: os 3 fundadores, 1 sócio, 1 gestão e cultura, 1 comercial, 1 operações, 1 design, 1 comercial e 1 marketing.

DICA: os encontros que aconteceram fora do local de trabalho foram bem mais imersivos, sem as “escapadinhas” para olhar o e-mail ou atender um telefonema.

As entregas da GROU, com nosso time, tornaram o processo leve e muito profundo. Tivemos muitas aulas (eu digo, um verdadeiro MBA), com referências e análises do mercado, golden circle, arquétipos, atributos, contexto de inovação, de público, declaração de posicionamento, paletas de cores, ícones, tudo, tudinho mesmo. Muita admiração por esse time!

Estudo de cores feito pela Consultoria Estratégia GROU.

4. Defina um P.O. do projeto

Ter uma pessoa que vai tocar o bumbo, ditar o ritmo do projeto, também é um “must have“. É importante para dar a puxada com todos os envolvidos, apoiar nas agendas, organização e execução. Essa pessoa, precisa ser alguém de marketing. Para nosso rebranding, a P.O. foi essa pessoa que vos fala: eu mesma. Fui responsável por garantir que todos estivessem presentes nos encontros, que cumprissem o combinado, entrevistas, entregas, etc.

Nos meses de abril a junho, o time de marketing se dedicou quase que full time para executar todas as estratégias e tarefas previstas.

Cronograma aceita tudo, né? Fomos muito ousados em achar que seria possível fazer 100% nesse timing, com um time de 3 pessoas. Tivemos que flexibilizar a data do evento, que seria 20/05/22 para 01/07/2022, para conseguir terminar todo o plano previsto.

May Leo, vocês serão para sempre lembrados por criar um rebranding memorável. Obrigada!

5. Coloque tudo no planejamento (desde mudanças de templates a pintar a parede)

A GROU entregou o brand book e, a partir daí, a nossa designer começou a produzir toda a virada de chave (site, templates, artes para as mídias, layout de mensagens para clientes, etc), enquanto eu criava os conteúdos no novo tom de voz e o Léo (da GROU), validava para garantir que estávamos no caminho. O plano de execução tinha tudo o que precisávamos para fazer 100% da virada.

Anunciamos o reposicionamento da marca durante uma mega festa realizada na casa DHAUS em Campinas-SP, reunindo aproximadamente 200 colaboradores, vindo de mais de 13 diferentes estados do Brasil. A logística do evento foi feita de maneira única e especial, pela agência Griffe de Viagens (obrigada por toda paciência e carinho, foi demais!). O evento seguiu o timebox e tivemos o apoio imprescindível da Costa Produções, do plano a gestão da festa.

A festa é um marco na nossa história! Comemoramos o sucesso do trabalho até o momento e celebramos a nova marca, que nasce grande, sem fronteiras, global.

E você, já passou por um rebranding? Compartilha aqui como foi a experiência.

Precisa fazer um rebranding? Pode me chamar para trocar figurinhas. Conhecimento compartilhado, é conhecimento multiplicado.

carreira

Trabalhar aqui é diferente, só quem tá dentro sabe. E quem tá fora, é louco pra saber. Para construir um grande negócio é preciso de grandes pessoas.

Quer fazer parte de um time incrível?

Conheça nossas vagas